10 mitos sobre o emagrecimento com balão gástrico

0

Emagrecer naturalmente, não é uma tarefa fácil de se realizar. Cortar os açúcares, gorduras, refrigerantes e carboidratos, são apenas uma das medidas para se fazer as pazes com a balança.

A obesidade pode acometer qualquer faixa etária, sendo a realidade de 18,9% dos brasileiros jovens, de acordo com o Ministério da Saúde. Na faixa etária de 45 a 65 anos, o excesso de peso é de 26% a 45%.

Mito ou verdade

1-Qualquer pessoa que estiver acima do seu peso ideal, pode optar por emagrecer com o balão gástrico: isso é um mito. Esse procedimento é para pessoas com o Índice de Massa Corporal (IMC) igual ou maior que 27 kg/m2.

O IMC de uma pessoa, é calculado dividindo-se o seu peso (em kg), pela altura (em metros quadrados). A partir do resultado, é possível avaliar o risco de sobrepeso de cada indivíduo, e qual seria o peso ideal.

2-Caso uma pessoa esteja com o IMC próximo do ideal, ela precisa engordar para estar apta ao procedimento com balão gástrico: isso é mito. Ninguém precisa engordar para conseguir passar por esse procedimento.

3-O processo de emagrecer por meio do balão gástrico, é coberto pelo Sistema Único de Saúde – SUS: isso é mito. O SUS não cobre esse procedimento, que pode custar de 12 a 15 mil reais dependendo do caso.

4-Uma equipe médica acompanha o paciente após o procedimento, antes e depois do tratamento, assim como na cirurgia bariátrica: isso é mito. A equipe é menor, sendo um nutricionista e um médico.

5-Para realizar o procedimento, é feito um corte no abdômen do paciente, após ele ser sedado para colocar o balão gástrico: isso é mito. O balão é levado vazio até o estômago, por meio de endoscopia digestiva alta, pela boca e enchido com soro fisiológico, depois.

Efeitos colaterais e volume preenchido

6-Quando está cheio, o balão não ocupa mais da metade do estômago: é mito, pois, ele pode ocupar cerca de 700 ml no estômago, correspondendo a 70% do volume.

7-O balão gástrico faz emagrecer, porque o estômago passa a produzir mais hormônio, fazendo com que o apetite diminua: é mito. Pois, a ideia é a de preencher o estômago, fazendo com que o paciente queira, comer menos.

8-O processo não causa efeitos colaterais, bem como impede o organismo de absorver nutrientes: é mito, pois pode trazer efeitos colaterais, como náuseas, vômitos e se não tratados levam à desidratação.

Mas, com medicamentos e dieta, esse problema é resolvido. E é um mito também, dizer que o procedimento impede a absorção de nutrientes no corpo.

9-Caso o balão se rompa, é preciso retirá-lo em uma cirurgia de emergência: mito. A retirada do balão é feita por meio de endoscopia, e faz com que a urina do paciente fique azul, para saber que foi rompido.

10-A permanência do balão no corpo, é pelo resto da vida: mito. A retirada é feita seis meses depois, dentro do prazo de segurança emitido pelo fabricante.

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.