Médicos asseguram a eficácia das pílulas anticoncepcionais

0

Mais de 55% das brasileiras têm ou tiveram filhos por uma gravidez indesejada. O nosso país é o que possui as maiores taxas de gestações indesejadas do mundo.

É o que concluiu uma pesquisa da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, realizada com 24 mil mulheres nos anos de 2011 e 2012.

Método seguro

A pílula anticoncepcional é um método mais difundido pelo Brasil e no mundo, como sendo o mais eficaz e seguro, contra uma gravidez não planejada.

O princípio ativo destas pílulas, são à base de hormônios de estrógeno ou estrogênio sintético, mais a progesterona, que ao serem regulados com o remédio, inibem a ovulação e o encontro com o espermatozoide durante o ato sexual.

Algumas mulheres ao tomarem por longos períodos anticoncepcionais a base de estrógeno, podem correr o risco de desenvolverem trombose venosa (que é um bloqueio, ou coágulo de sangue que se forma na veia ou artéria, impossibilitando a passagem de sangue pelo local).

Vários casos de trombose entre as mulheres que utilizaram este método, têm feito com que os médicos e especialistas sejam consultados com mais frequência, a fim de sanar as dúvidas das pacientes, e indicando um método adequado para cada corpo.

A médica ginecologista Débora Tonetti, da Clínica do renomado Dr. José Bento, ressalta que os anticoncepcionais à base de progesterona são os mais confiáveis e seguros, tanto para prevenção da gravidez, como na impossibilidade de desenvolver a trombose.

Ela afirma ainda que, casos de trombose venosa é rara, sendo cinco casos a cada 10 mil pacientes. Ou seja, o método contraceptivo que usa os anticoncepcionais, são seguros e eficazes no geral.

Os efeitos colaterais sentidos pelas pacientes, como dores de cabeça, náuseas, vômitos, retenção de líquidos, alteração na libido e irritabilidades, são comuns e passam após três meses de uso contínuo e ininterrupto.

Caso os sintomas sejam prolongados e extremamente desconfortáveis, é necessário procurar o ginecologista que trocará o medicamento, para outro mais aceitável no corpo.

Mitos perpetuados sobre as pílulas anticoncepcionais

A doutora Débora afirma que, é um mito dizer que o uso contínuo da pílula dificulta a fertilidade e o processo de engravidar nas mulheres. Pois, assim que ela para com o remédio, a ovulação volta a agir normalmente.

O que ocorre é que as mulheres começam a tomar o anticoncepcional em uma idade e depois param após a fertilidade já tiver cessado ou dificultado o processo, com os óvulos mais fracos e envelhecidos.

É um mito também, pensar que tomando anticoncepcional junto com antibióticos, fungicidas e anticonvulsivantes não tem qualquer problema. Esses medicamentos cortam o efeito da pílula, podendo ocorrer uma gravidez inesperada.

Se acontecer de esquecer de tomar uma das doses do anticoncepcional, tome a próxima no mesmo horário, sem se preocupar em compensar a que esqueceu tomando os dois comprimidos, pois isso não funciona, nem torna mais seguro contra gravidez.

A superdose do produto pode causar efeitos colaterais, como náuseas, vômitos, e até em sangramentos leves.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.