Por falta de ração durante a greve, mais de 72 milhões de aves morrem

Milhares de ovos também são descartados durante a greve.

0

A greve dos caminhoneiros que chega ao 9º dia nesta terça feira (29 de maio), vem causando um caos pelo país, principalmente no setor de agronegócios. Segundo o ABPA, a Associação Brasileira de Proteína Animal, o balanço da greve é de que mais de 72 milhões de aves morreram de fome, por falta da entrega de ração.

O abastecimento de ração feito através dos caminhoneiros, foi extremamente prejudicada, levando a necessidade do descarte ou abatimento precoce de aves e suínos pelo país.

Um volume maior do que 150 toneladas de carne de frango e também de carne suína foram deixados de serem exportados após o início da greve. Deste número, mais de um bilhão de frangos e 20 milhões de suínos estão correndo risco de morte por falta de ração e não por abatimento, segundo a ABPA.

Os milhares de animais mortos que não podem ser comercializados, estão sendo jogados em composteiras nas granjas e produtoras, porém o sistema está chegando a capacidade máxima e o próximo passo poderá prejudicar além dos produtores, também o meio ambiente. O risco de saúde pública por conta do acúmulo, também está eminente.

A ABPA acredita que a greve deve acabar nesta semana e será a hora de correr atrás do prejuízo para colocar tudo em ordem. Mas até que tudo esteja funcionando 100%, a associação diz que isto pode levar alguns meses.

Produção de ovos é também afetada

Além da morte precoce, a produção de ovos também foi afetada em todo o país. Mais de 3 milhões de ovos precisaram ser descartados, pela falta de transporte. Segundo informações tanto os frangos, suínos e ovos, os produtores que mais foram afetados, foram os de grande porte, pois precisam de caminhões para escoar os animais e seus derivados.

Pequenos e médios produtores não dependem de uma grande quantidade de insumos e também podem fazer o transporte através de caminhonetes e outros veículos de pequeno porte. Neste caso o que pode estar complicado para alguns é a falta de combustíveis.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.