Controlar as finanças e guardar dinheiro, é o desafio diário dos brasileiros

0

O desemprego vem assolando diversas famílias brasileiras, e muitos convivem com um salário baixíssimo, impedindo-os de colocarem as contas em dia.

De acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito – SPC, mais de 60 milhões de brasileiros estão inadimplentes em algum setor da economia brasileira.

Uma pesquisa realizada também pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE, mostrou que apenas 30% da população possui uma reserva financeira, e são poupadores ativos.

Educação financeira

A importância da educação financeira, deve começar desde cedo, pois como toda matéria a ser aprendida na escola, as finanças também devem ser incluídas no processo.

Os especialistas na área financeira, recomendam que sejam registradas todas as dívidas e despesas mensais, bem como equilibrar o salário que se ganha, sem extrapolar o limite mensal.

O segundo passo é que sejam negociadas as dívidas, junto aos órgãos públicos, a fim de diminuir os juros e as multas inerentes a elas. Assim, uma parte do salário deve ser investido em alguma instituição financeira, para render juros e gerar renda fixa.

A regra é avaliar primeiramente, a instituição que possui melhor reputação, melhores taxas de administração e que não cobrem tarifas desnecessárias dos clientes.

Consumismo

Nossa sociedade, aprende desde cedo a ser consumista. Se algum objeto ou item estragar, a primeira ação é de simplesmente trocar por um novo, seja ele qual preço for.

Assim, o acúmulo de coisas fica mais e mais evidente, sem necessidade, em um canto da sala ou quarto. Muitas pessoas compram algo, porque está muito barato, mas a longo prazo, aquele objeto não será usado, deixando o dinheiro investido parado.

Comprar e vender, deveria ser um ato consciente, de necessidade e de utilização. Ao invés de adquirir sempre um produto novo, seria mais favorável que se reutilizasse o objeto, dando-lhe uma nova função.

Essa regra vale para roupas, calçados, móveis, bijouterias, maquiagens, carros, alimentos, e uma infinidade de coisas que podem ser reaproveitadas, sem a compulsão de ter que repor por um item novo sempre.

Existem vários bancos e instituições financeiras sérias, que promovem planos de investimento aos associados, muitas vezes com taxa zero de abertura de conta, possuindo milhões de cooperados que já ostentam uma independência financeira rentável.

Basta que o interessado faça uma pesquisa rápida na internet, após colocar as contas em dia, sobre formas de obtenção de renda fixa confiável mês a mês, começando com um investimento mínimo, e aumentando a longo prazo, ganhando com os juros acumulados.

No dia mundial da poupança (26), todos devem pensar melhor sobre como está sendo empregado os recursos financeiros, estabelecendo metas e prioridades de consumo, realização de sonhos e diversas necessidades pertinentes a cada família.

Com a mudança da economia no Brasil, investir pode ser considerado arriscado para muitos, mas para os que foram instruídos financeiramente, poderão tirar muitas vantagens com a decisão de poupar mais, e gastar menos.

Após as eleições desse ano, economizar e garantir o futuro da família será essencial.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.