20/09/2013 07:15

Carnaval muda de endereço em Jundiaí

Ligas das escolas de samba e Secretaria de Cultura buscam novo local para a realização dos desfiles


Local da folia precisa ser definido em prazo máximo de 30 dias / Vera Gonçalvez/Ag. Bom Dia


Por: Kadija Rodrigues
kadija.rodrigues@bomdiajundiai.com.br

O Carnaval de Jundiaí terá novo endereço para os desfiles de 2014. Segundo o secretário de Cultura, Tércio Marinho, e o presidente da Lijunes (Liga Jundiaiense das Escolas de Samba), William Paixão, a atual avenida, a Prefeito Luiz Latorre, não será mais o palco das passistas, baterias e carros alegóricos.

“É uma reivindicação antiga de moradores e comerciantes daquela região de que o Carnaval fosse feito em outro lugar, a avenida cresceu muito em todos os sentidos e estamos em busca de um local onde o impacto seja menor”, afirma Tércio.

Na última segunda-feira, o secretário com representantes das ligas das escolas de samba de Jundiaí visitaram a avenida Yamashita Yukio, no Distrito Industrial, um dos pontos analisados para receber o Carnaval.
Onze quilômetros de distância do Centro, o acesso não é tão simples. Só para se ter uma ideia, a reportagem precisou usar o GPS para chegar até a avenida, que abriga o Geresol.

A via é mais larga do que a atual avenida utilizada para os desfiles e comportaria tranquilamente a montagem de arquibancas, mas o excesso de caminhões, ônibus fretados e carros, por conta de os dois lados serem compostos por indústrias, não aparenta ser uma avenida de pouco movimento.

“Acredito que com uma boa divulgação, o público comparecerá para o Carnaval, que se tornou um símbolo da cultura brasileira”, diz o secretário.

Ainda assim, o novo espaço não agradou 100% o presidente da Lijunes. William diz que a localização é o de menos e “é preciso apostar”, porém, a avenida apresentou alguns contrapontos como por uma parte ser de subida. “Teria que ter algo para puxar os carros alegóricos, há também uma curva que é complicada fazer com os veículos”, diz.

Acostumado com mudanças, ele lembra de quando a festa mudou da avenida 14 de Dezembro para a atual. “A sensação era a mesma de hoje e chegamos em uma avenida que não era nada, olha a importância atualmente.”

Novos pontos / O presidente diz que um outro local que será verificado é a continuação da Luiz Latorre, sentido a Unip. “O movimento de veículos é menor naquela região, há um terreno que permite pensar em oferecer estacionamento e praça de alimentação, por exemplo”, explica.

Outro ponto que passou pela avaliação foi a avenida União dos Ferroviários. “Mas há muitos fios de alta tensão que não permitiria passar com os carros alegóricos”, pontua. William diz que será necessário definir o novo local até, no máximo, 30 dias para dar continuidade na divulgação da festa. O Carnaval do ano que vem começa no dia 28 de fevereiro.

Carnavalescos se preocupam com logística até o Distrito
Edson Luiz Pereira, mais conhecido como Zé Prego, da escola de samba União da Vila Rio Branco, diz que a maior preocupação se o Carnaval mudar para o Distrito Industrial é a logística para levar os integrantes das escolas para o desfile.

“Vamos precisar de, no mínimo, dez ônibus para que todos participem. Na Latorre, tem muita gente que vai a pé”, explica ao dizer que a escola geralmente sai com mais de 500 integrantes.

Ainda assim, ele acredita que o Carnaval é responsável por dar vida no lugar que chega. “Foi assim quando mudamos da 14 de Dezembro para a Latorre, não era nada”, afirma. E ele garante que a prefeitura está disposta a ouvir as ligas antes de tomar qualquer decisão.

Para o cantor e compositor Rudy, que tem o “Bloco da Ponte Torta”, o Carnaval tem que estar perto do povo. “É a maior festa popular e tudo que se isola é ruim”, explica. Ele cita como exemplo o tradicional bloco de rua Refogado do Sandi. “Quer mais comércio do que no Centro e o bloco é uma tradição que todo mundo espera e gosta”, diz.

MAIS

Arena Multiuso terá um sambódromo
Sobre a verba de R$ 3,1 milhão destinada para a construção da arena multiuso, prevista no PPA (Plano Plurianual), o secretário de Cultura, Tércio Marinho diz que é um projeto de longo prazo, mas necessário.

“Além do sambódromo, o espaço vai comportar eventos como Marcha para Jesus e Parada Gay”, diz. Porém, ainda não está definido onde será construído e o responsável pela pasta disse que é preciso angariar fundos com os governos Estadual e Federal para execução.

400 metros é o tamanho da reta que a avenida Yamashita Yukio oferece para o desfile

Liesj acompanha a visita nos locais
Além da Lijunes, representantes da Liesj (Liga Independente das Escolas de Samba de Jundiaí) acompanham as visitas nos lugares propostos.


Compartilhe: