12/10/2012 04:39

Alunos denunciam péssimas condições de escola

Com troca de direção da unidade, professores faltam de maneira constante e, por isso, não há aulas

Por: Adriane Souza
adriane.souza@bomdiasorocaba.com.br

O desejo de traçar um futuro melhor fez com que alunos da escola estadual Professor Altamir Gonçalves, no Jardim Belmejo, não medissem esforços para mudar as condições da unidade de ensino.

Representando um grupo com mais de dez jovens, dois alunos procuraram o BOM DIA para pedir ajuda: “Estamos sem condições de estudar e ficando para trás.”

Em 2012/ De acordo com os alunos - que optaram por não se identificar - desde o início deste ano, com a troca do quadro de direção da unidade de ensino, os alunos estão enfrentando excesso de falta de docentes, gerando muitas aulas vagas. “Ficamos mais de seis meses sem professores de Geografia e de Português, a maioria das nossas aulas são vagas. Ficamos no pátio sem fazer nada”, destaca o jovem de 16 anos.

Crimes/ Neste tempo vago, o estudante conta que alguns alunos fumam as escondidas e fazem uso de entorpecentes. “Tudo aquilo que nossos pais mostram ser errado, acabamos encontrando dentro da escola”, diz. Além disso, o jovem destaca que alguns alunos encontraram oportunidade para vender drogas dentro da escola.

Um outro menor, de 16, diz que há alguns meses uma arma de fogo e munições foram encontradas em poder de um aluno pela professora. “Ela não chamou a polícia, apenas deixou o menino ir”, declara.

Perigo/ Os jovens entregaram ao BOM DIA fotos de uma sala de aula com fezes de pombos, que transmitem doenças por meio de suas fezes. “Esta é uma amostra do que os pombos fazem na escola, eles estão por todos os lados.”

A escola estadual se prepara para se tornar uma unidade de ensino médio em período integral. As obras estão sendo feitas durante o período letivo.“As poucas aulas que temos são prejudicadas pelo barulho da construção. E quando estamos sem aula, os pedreiros costumam cortar a água, por causa dos encanamentos e ficamos com sede ou sem utilizar o banheiro”, conta o adolescente de 16 anos, que diz ter procurado a direção da escola para reclamar, mas não obteve retorno.

Incoerente/ Um vídeo no qual a equipe de coordenação dança e canta durante uma reunião pedagógica está em poder dos alunos.
“São músicas e gestos que não condizem com a profissão delas”, diz um deles.

O grupo está sentindo que o futuro está sendo prejudicado pelo presente. “Como teremos condições de conseguir notas no Enem e realizar o sonho de fazer faculdade sem aprendermos nada agora?”, questiona um deles, que sonha em cursar a faculdade de direito.

Supervisor de ensino deve visitar escola

Secretaria Estadual de Educação recebe denúncias do BOM DIA e diz que caso será averiguado nos próximos dias

O apelo dos alunos da escola estadual Professor Altamir Gonçalves, no Jardim Belmejo foi levado à Secretaria Estadual de Educação. Por meio de nota, a instituição afirmou que o caso será investigado. “Mediante as denúncias feitas pela reportagem, um supervisor de ensino irá na escola averiguar os fatos”, informa.

Reposição/ A direção da Escola afirma que a unidade de ensino conta com dois professores eventuais, que suprem ausências dos demais docentes. Porém, os representantes da escola afirmam que o conteúdo pedagógico que não foi aplicado aos alunos, durante as aulas que ficaram vagas, será reposto para que o calendário escolar seja suprido.

Mudanças/ A Secretaria Estadual da Educação não explicou em detalhes o andamento da reforma, mas deixou claro que o trabalho não será interrompido durante as aulas. “A escola passa por uma reforma que tem como objetivo melhorar a infraestrutura e a segurança do prédio”, esclarece a nota.

A previsão é de que a obra esteja concluída em 2013, quando a instituição passará oficialmente a oferecer o ensino médio em período integral. A instituição será a única do município a oferecer este serviço.

Ilícitos/ “Com relação ao suposto uso de drogas e álcool dentro da unidade, não há registros na direção da escola”, diz a secretaria, afirmando que a rede estadual de ensino de Sorocaba realiza regularmente ações preventivas sobre o risco do uso de entorpecentes, por meio de programas como ‘Prevenção Também se Ensina’ e o ‘Sistema de Proteção Escolar’.

Equipe/ Os responsáveis pela escola finalizam declarando que a unidade está com o quadro completo de agentes de organização escolar, mas não citou nada sobre o caso dos pombos ou da dança proporcionada pelos funcionários.


Compartilhe: