03/10/2012 08:55

Hemodiálise vira caso de polícia

A Polícia Civil de Itatiba tem em mãos um caso incomum de apuração de morte. Hospital vai ser investigado

A Polícia Civil de Itatiba tem em mãos um caso incomum de apuração de morte. Trata-se do esclarecimento do óbito de F. A. S. (as iniciais foram usadas para preservar a família do homem), 52 anos, registrado em 1º de setembro, às 13h20, na Santa Casa de Itatiba. No entanto, não é o hospital que será o alvo das investigações. A família do homem pediu a polícia que a Clínica de Hemodiálise de Itatiba seja investigada, já que foi durante o procedimento de hemodiálise que o senhor teria começado a passar mal naquele sábado. 

O delegado titular do 1º Distrito Policial de Itatiba, Osmany Pinheiro Machado Junior, instaurou na última semana o inquérito policial N.º 420/12 para apurar as circunstâncias da morte. “O inquérito foi instaurado e vamos apurar o que realmente ocorreu e se há responsáveis pela situação. Em caso positivo, terão que responder à Justiça”, disse ao BOM DIA. 

Segundo as filhas da vítima, o pai deu entrada na clínica de hemodiálise às 8h para fazer o tratamento. Três horas depois sentiu-se mal e teria sido encaminhado ao prédio da Unida de Pronto Atendimento (UPA) 24h, onde, apesar da unidade ser estrutura para atender casos de emergência e urgência, não teria recebido atendimento apropriado, o que o levaria a outro destino. Às 13h ele teria sido transferido em ambulância sem UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para Santa Casa onde morreu. A causa mortis foi declarada como “decorrência de síndrome coronária aguda”, no caso, parada cardíaca. 

A evolução do inquérito prevê que os citados no processo – familiares, funcionários e médicos da Clínica e da UPA e a equipe da Santa Casa – prestem depoimentos. A data para início das oitivas não foi divulgada.

DOCUMENTO/  O inquérito policial se fundamenta, resumidamente, no fato de que a clínica de hemodiálise de Itatiba, bem como sua equipe, não teria sido preparada com o critério necessário, para que pudesse ser inaugurada antes do período de campanha eleitoral, e assim contar com a presença de políticos que hoje são candidatos. 

A data em que sua gestora foi credenciada pela Prefeitura de Itatiba é 3 de julho último. O texto do inquérito aponta ainda que a Clínica de Hemodiálise de Itatiba não teria aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quando começou a funcionar. A clínica local é operada pela empresa Nefrologia Hemodiálise Hipertensão Medicina Geral e Preventiva Ltda., começou a funcionar menos de um mês antes do óbito deste paciente, em 13 de agosto passado. “A empresa foi constituída às pressas em 01/06/2012 com capital de apenas R$10.000,00 e tendo como sócio um investidor de apenas R$100,00, conforme Ficha Cadastral emitida pela Jucesp”, diz o inquérito.

UPA/ Trechos de reportagens do BOM DIA do começo de setembro também integram o processo. Elas apontam caso de óbito na UPA 24h, que teria mostrado despreparo da equipe logo após a morte de uma senhora e também o envolvimento do dono da empresa gestora da unidade, que se envolveu em escândalo por desvio de dinheiro público na saúde de Ribeirão Pires, Grande São Paulo, em março deste ano. Na ocasião o BOM DIA procurou formalmente, por e-mail e em diversos contatos telefônicos, a posição da Prefeitura de Itatiba, que até o momento não se manifestou a respeito.





Compartilhe: