Modelos famosas se prostituíam no exterior

Polícia Federal prende bando que prometia pagar R$ 200 mil a mulheres que foram capas de revista


A Polícia Federal desmontou, durante operação nesta quinta na Grande São Paulo, uma quadrilha acusada de traficar mulheres brasileiras para prostituição no exterior. Entre as vítimas estavam modelos capas de revistas masculinas e ex-participantes de programas de TV. Cinco pessoas foram detidas. Estima-se que o bando  movimentou aproximadamente R$ 100 milhões desde 2007.

A quadrilha levava, anualmente, 90 mulheres para Angola, Portugal, África do Sul e Áustria. Segundo o delegado Luiz Tempestini, além das modelos, prostitutas que atuavam na região do Planalto Paulista, Zona Sul, também eram aliciadas.

Elas passavam de 7 a 10 dias para  manter relações sexuais com empresários, autoridades e outros clientes – entre eles, um ex-parlamentar angolano. As modelos recebiam R$ 200 mil pelo serviço.Já as garotas de programa do Planalto Paulista ganhavam R$ 20 mil. Algumas prostitutas eram obrigadas a manter relações sem preservativos. Os criminosos ofereciam um falso coquetel de drogas anti-HIV.

As identidades dos detidos  não foram reveladas, assim como as das garotas de programa. O delegado Tempestini, que investiga a ação da quadrilha há um ano, disse, no entanto, que algumas não chegaram a receber a quantia acordada com aliciadores aqui no Brasil.

“Foram presos três homens e duas mulheres”, disse o delegado. “As mulheres eram as duas principais aliciadoras. Um dos homens é empresário do ramo de shows e chefiava o bando. Além dele, havia um outro aliciador, menor de idade, e um homem responsável pela parte burocrática da quadrilha.”

Além dos cinco mandados de prisão, foram cumpridos outros 11 de busca e apreensão em São Paulo, São Bernardo, Cotia e Guarulhos. Dois estrangeiros que estão no exterior, também integrantes do grupo, tiveram prisão decretada pela Justiça Federal e seus nomes foram incluídos na lista mundial de procurados pela Interpol.

Foram apreendidos 11 carros de luxo, 23 passaportes, nove cópias de passaportes, 14 pedidos de visto para Angola, moeda estrangeira  e drogas.